segunda-feira, 26 de setembro de 2016

Calendário de vacinação contra raiva, para cães e gatos da Cidade do Rio, RJ

UTILIDADE PÚBLICA

Começou hoje, 26 de Setembro, a campanha vacinação contra a raiva em cães e gatos da Cidade do Rio de Janeiro e se estenderá até o dia 02 de Dezembro.
Mas atenção: A cada semana, a vacinação ocorrerá em uma determinada região da cidade, sempre das 9h às 16h. 

A raiva pode matar, tanto os animais de estimação quanto seus donos, e vacinar cães e gatos é a única maneira de controlar a doença. Vale ressaltar que esta vacinação é gratuita. 

Confira as datas e locais de vacinação:


Vacinação contra raiva

 Do dia 26 até o dia 30 de setembro, haverá 15 pontos de vacinação espalhados pelos bairros de Santa Cruz, Paciência, Sepetiba. De 3 a 7 de outubro, a vacinação acontece na AP 5.2, nos bairros de Guaratiba, Pedra de Guaratiba, Inhoaíba, Cosmos, Campo Grande e Santíssimo.

 Do dia 10 a 14 de outubro a vacinação ocorrerá nos bairros de: Bangu, Senador Camará, Vila Kenedy, Realengo, Jardim Bangu, Padre Miguel e Sulacap.

No período de 17 a 21 de outubro, a vacinação será nos bairros: Itanhangá, Barra da Tijuca, Recreio dos Bandeirantes, Curicica, Gardênia Azul, Tanque, Taquara, Jacarepaguá, Anil, Cidade de Deus, Praça Seca, Vila Valqueire, Vargem Grande e Vargem Pequena.

De 24 a 28 de outubro, será nos bairros:  Campinho, Cavalcanti, Osvaldo Cruz, Marechal Hermes, Cascadura, Costa Barros, Parque Anchieta, Pavuna, Guadalupe, Honório Gurgel, Fazenda Botafogo e Barros Filho.

O último dia de outubro e o primeiro dia de novembro ficam reservados para os bairros:  Cachambi, Engenho de Dentro, Engenho Novo, Méier, Rocha, Sampaio e São Francisco Xavier.

No período de 8 a 11 de novembro , a vacinação acontece nos bairros:  Ramos, Maré, Brás de Pina, Cordovil, Parada de Lucas, Vigário Geral, Jardim América, Penha, Penha Circular, Ilha do Governador, Galeão, Portuguesa e Jardim Guanabara.

De 14 a 18 de novembro, nos bairros:  São Cristóvão, Vasco da Gama, Andaraí, Vila Isabel, Tijuca, Alto da Boa Vista e Grajaú. 

No período de 21 a 25 de novembro, a vacinação será nos bairros:  Largo do Machado, Flamengo, Laranjeiras, Botafogo, Leme, Copacabana, Gávea, Rocinha, São Conrado e Vidigal.

E, de 28 de novembro a 2 de dezembro, os bairros: Centro, Cidade Nova, Rio Comprido, Bairro de Fátima, Santa Teresa, Estácio, Santo Cristo, Caju e Estácio, encerrarão a campanha de vacinação no Rio.

Confira os endereços completos em:
http://prefeitura.rio/documents/4144698/0506539f-6f07-40a8-a81d-eb56fc5ad604

 Após o término da campanha, a vacinação vai continuar em dois postos permanentes, que ficam no Instituto de Medicina Veterinária Jorge Vaitsman, localizado na Av.Bartolomeu Gusmão, 1120, em São Cristóvão, e no Centro de Vigilância e Fiscalização Sanitária em Zoonoses Paulo Dacorso Filho, localizado no Largo do Bodegão, 150, em Santa Cruz.
Para maiores detalhes, verificar em : 1746 ou http://www.rio.rj.gov.br/web/vigilanciasanitaria/exibeconteudo?id=6428927.

Quem ama o pet, vacina


Cuidados  na hora de levar os pets para vacinar:

Por medida de segurança os cães devem ser levados aos postos em coleiras.
Na hora da vacinação, os cães deverão estar com coleira e guia, e os gatos em sacolas de pano ou em gaiolas apropriadas. Animais com temperamento agressivo devem estar com focinheira.

Sintomas como dores no local vacinado, febre e comportamento mais quieto do animal podem ocorrer por até 36 hS após a aplicação. As vacinas são repassadas pelo Ministério da Saúde, responsável pela aquisição.

O que é a raiva?

A raiva é uma doença que compromete o sistema nervoso do homem, sendo incurável e com índice de letalidade próximo a 100%. É uma zoonose viral e todos os mamíferos estão suscetíveis ao vírus da raiva, podendo transmiti-la. Mas cães, gatos e morcegos são os principais transmissores. A vacina é a única maneira de controlar a doença.

Segundo a Prefeitura do Rio, a raiva está sob controle há mais de 25 anos no Rio, mas ainda oferece risco à população, pois a cidade conta com um número alto de morcegos, cachorros e gatos, principais transmissores do vírus.

O que fazer se for mordido por uma animal?

Caso uma pessoa seja mordida por um desses animais, deve lavar o local machucado imediatamente, com água e sabão. Ao mesmo tempo, deve-se procurar a unidade de saúde mais próxima, onde receberá os primeiros cuidados e será encaminhada para uma das unidades especificas que funcionam como polo de profilaxia da raiva. Se possível, isolar o animal por 10 dias, para ver o grau de manifestação da doença, e informar se tem dono e o endereço onde habita.


(Fonte da informação:  Prefeitura do Rio de Janeiro)


COALA - SAIBA TUDO SOBRE ESSE MAMÍFERO FOFO E RARO


Diferente do que alguns pensam, o coala não é um urso, mas sim um marsupial. Ele, assim como o canguru, gambá e o diabo da tasmânia, é um  mamífero que carrega seus filhotes em uma espécie de bolsa abdominal. 

COALA
Sedentário, devido a seu metabolismo extremamente lento, o coala dorme de 18 a 22 horas por dia.
Quando não está se alimentando, acasalando ou escapando de algum predador, ele está dormindo. Vida mansa a dele!

Natural da Austrália, o coala encontra-se em via de extinção desde o início da colonização inglesa, quando surgiu o hábito de matá-los para usar sua pele. Hoje, a caça não é o maior risco mas sim as queimadas nas florestas, que matam muitos animais, e a eliminação das árvores onde vivem, tanto por queimadas quanto por lenhadores. Ao perder a sua casa e alimento, o coala muda-se e pode chegar a povoamentos ou cidades, onde morre por atropelamento ou é caçado por cães.


Características
Coala adormecido
Dependendo do local onde vivem a sua pelagem adapta-se, nos eucaliptais tropicais do norte a sua pelagem é mais curta acinzentada, e nos eucaliptais temperados do sul a sua pelagem é mais longa e castanha.
O coala tem a cabeça pequena, o focinho curto e os olhos bem separados. O nariz é grosso e achatado, e está munido de grandes narinas em forma de V, com as fossas nasais muito desenvolvidas, que mexem no seu equilíbrio térmico.

A pelagem é densa e sedosa, desempenha papel importante na regulação térmica e na proteção dos agentes atmosféricos. Como o coala não constrói um abrigo, dorme exposto ao sol e à chuva. A pelagem do dorso é muito densa e de uma coloração escura que absorve o calor. Torna-se mais escassa durante o verão e mais comprida durante o inverno.

Coala com filhote na bolsa
Tanto os membros anteriores como os posteriores possuem cinco dedos. O polegar das patas posteriores é bastante pequeno, não sendo dotado de garras. Os outros dedos são fortes e terminam em garras alongadas. Nas patas posteriores, apenas o polegar é oposto aos outros dedos.

Possui um bom equilíbrio e músculos possantes nas coxas, e quando escala uma árvore, a falta de cauda é compensada pelos dedos bastante largos e pelas garras muito desenvolvidas.

O intestino grosso, onde, por meio de fermentação bacteriana, se dá a digestão da celulose, é muito desenvolvido. O ceco, situado no início do intestino grosso, pode atingir 2,5 metros de comprimento. Além disso, possui na parede do estômago uma glândula complexa dita cardiogástrica que desempenha papel importante na digestão. A cloaca tem três funções: serve para o acasalamento, para urinar e defecar.



Reprodução
A época de reprodução dos coalas dura cerca de quatro meses. Neste período, os machos sexualmente maduros exploram o seu território, atraindo as fêmeas no cio, e enchem o local de marcas odoríferas, emitindo simultaneamente um som semelhante a um mugido. As fêmeas demonstram em geral grande agressividade com relação aos machos, os quais repelem violentamente. O acasalamento, que dura alguns segundos, dá-se em posição vertical sobre um galho de eucalipto.

Mamãe e bebê coalas
Depois que terminada a conjunção, os companheiros se separam. O macho não se ocupa do sustento do filhote: tal função compete à fêmea, que só tem uma gestação por ano e geralmente só dá luz a um filhote (muito raramente dois). A gestação dura em média 35 dias.

filhote de coala
O coala é muito pouco desenvolvido ao nascer. Pesa apenas 0,5 g e tem menos de 20 mm de comprimento. O corpo é nu, cor-de-rosa e raiado de vasos sanguíneos; os olhos e os ouvidos estão fechados; a boca, as narinas e as patas posteriores são apenas um esboço. Somente as patas anteriores são suficientemente robustas para lhe permitir executar sozinho o fatigante trajeto até a bolsa ventral da genitora e ali permanecer agarrado a uma das duas mamas.

Por volta dos cinco meses e meio, a cria começa a sair do seu tranquilo abrigo, mas não se afasta muito da mãe e, ao primeiro sinal de perigo, torna a entrar ou então emite uma espécie de vagido.

A permanência fora do refúgio vai aumentando e, aos 8 meses, torna-se definitiva. A partir daí, o jovem só enfia a cabeça no marsupial quando tem de mamar. Durante as peregrinações noturnas, a mãe ainda o transporta sobre o dorso.

Eucalipto

O coala vive aos pares, subindo em árvores, com atos semelhantes ao da indolente preguiça. Isso lhe valeu o nome de "ursinho-da-austrália". Na língua dos indígenas locais, Koala significa "animal que não bebe". De fato, este marsupial, é bastante abstêmio: mata a sede com apenas o suco oleoso das folhas de eucalipto, praticamente o único vegetal que come.

Coala no eucalipto 
Na Austrália existem 600 espécies de eucaliptos. Estas árvores são muito importantes para a fauna do continente australiano,  sobretudo, para o coala.




Predadores
O coala tem poucos predadores, o mais importante é o Canis dingo - um cão selvagem - que mata os coalas velhos ou doentes, pois um adulto de boa saúde pode feri-lo gravemente. Os aborígenes caçam tradicionalmente o coala, que é uma presa fácil por causa dos seus hábitos sedentários e devido aos seus movimentos lentos. Quando pressente um perigo vindo do solo, o animal tem o costume de se esconder em vez de fugir. O coala é indispensável no regime alimentar dos aborígenes.