terça-feira, 22 de novembro de 2016

COBRAS VENENOSAS

CONHEÇA ALGUMAS DAS COBRAS MAIS PEÇONHENTAS E COMUNS NAS AMÉRICAS


Cobras venenosas são aquelas que representam risco de acidentes, pela picada, e cujo veneno ocasiona diversos sintomas. Podem conduzir à morte caso não haja tratamento específico adequado. É importante que o tratamento seja rápido e realizado por profissionais de saúde qualificados, em unidades de atendimento médico especializadas.

A característica mais importante a ser observada nas cobras é a presença da fosseta loreal (orifício entre o olho e a narina) existente em todas as serpentes peçonhentas das Américas, com exceção das corais verdadeiras. No entanto, é recomendado que se mantenha distância de quaisquer cobras.

Cascavel (Crotalus durissus)

Cascavel - cobras peçonhentas das Américas
Cascavel
Serpente peçonhenta que habita áreas abertas, como campos e cerrados. É vivípara e se caracteriza por possuir um chocalho na ponta da cauda, formado por diversos guizos. Cada muda acrescenta um novo guizo, e o número de guizos, portanto, não representa a idade da serpente em anos. Além disso, especialmente nas cascavéis mais velhas, os guizos terminais frequentemente se perdem, de modo que o número total de guizos não indica nem o número total de mudas.







Coral Verdadeira (Micrurus sp)

Cobra Coral Verdadeira
Cobra coral
São serpentes peçonhentas normalmente pequenas e de colorido vistoso, com anéis vermelhos, pretos e brancos ou amarelos em sequências diversas. Possuem hábitos fossoriais (vivem embaixo da terra) e são ovíparas.










Jararaca (Bothrops jararaca)

Jararaca - cobras peçonhentas das Américas
Jararaca
Serpente peçonhenta, pertencente ao grupo que mais causa acidente no Brasil. Vive em matas, porém se adapta muito bem as áreas urbanas e próximas à cidade.  Vivípara, vive em ambientes preferencialmente úmidos, como beira de rios e córregos, onde também se encontram ratos e sapos, seus alimentos preferidos. Dorme durante o dia debaixo de folhagens secas e úmidas.








Jararacuçu (Bothrops jararacussu)

Jararacuçu - cobras peçonhentas das Américas
Jararacuçu
Serpente venenosa que pertence à família dos viperídeos e pode chegar dois metros de comprimento. Na língua tupi-guarani, "jarara" significa “o bote da cobra”, e "uçu” ou “ussu" grande, longo. Assim, jararacuçu lembra a longa distância que a cobra pode atingir ao dar o bote. A espécie é considerada muito perigosa, pois sua picada pode injetar uma grande quantidade de veneno. Possui uma dieta composta principalmente por pequenos mamíferos, aves e anfíbios.







Surucucu pico de jaca (Lachesis muta)

Surucucu pico de jaca (Lachesis muta)
Surucucu pico de jaca
É a maior serpente peçonhenta das Américas. Pode ultrapassar 4 metros de comprimento. Vive em matas primárias e, diferentes dos outros viperídeos (família de serpentes venenosas) brasileiros, são ovíparas. 











(Fonte: http://www.ivb.rj.gov.br/cobras_venenosas.html)


VEJA TAMBÉM : 
http://mundoanimalevidaselvagem.blogspot.com.br/2016/11/como-diferenciar-cobras-venenosas-das.html

http://mundoanimalevidaselvagem.blogspot.com.br/2016/11/cobras-nao-peconhentas.html

COBRAS NÃO-PEÇONHENTAS

COBRAS NÃO-PEÇONHENTAS - CONHEÇA ALGUMAS DELAS 

Cobras não-peçonhentas são aquelas que não representam risco de morte. Apesar de não terem veneno, esses seres rastejantes podem causar, além arrepios, acidentes com sintomas bastante incômodos, como dor, dormência, vermelhidão, inchaço, febre, sensação de queimação e até mesmo a transmissão de tétano, infecções secundárias e outras doenças. Portanto, é aconselhável ficar longe delas e, em caso de acidente, procurar atendimento médico imediato para uma melhor avaliação e tratamento.


Caninana (Spilotes pullatus)

Cobras não-peçonhentas
Cobra caninana

Serpente não-peçonhenta com hábitos semi-arborícolas (muitas vezes pode ser encontrada em árvores). Diurna, habita matas e cerrados. Atinge até 2,5 metros de comprimento. Pode se tornar agressiva. Quando isso acontece, infla a região atrás da cabeça e dá botes para sua defesa. É ovípara e alimenta-se de aves e roedores.

Cobra cipó (Chironius sp)

Cobras não-peçonhentas

Cobra cipó - vive em árvores


Serpente não-peçonhenta de hábitos semi-arborícolas. Seu nome vulgar vem de sua coloração, pois se camufla nas árvores, confundindo-se com o ambiente. Ovípara, habita matas e capoeiras. Alimenta-se preferencialmente de anfíbios, possuindo hábitos diurnos. Pode alcançar pouco mais de um metro de comprimento.


Cobra d´água (Liophis miliaris)

Cobras não-peçonhentas

Cobra d´água


Serpente não-peçonhenta de hábitos aquáticos, que habita rios e lagos. Alimenta-se principalmente de peixes e anfíbios. É ovípara e possui hábito tanto diurno quanto noturno. Pequena, normalmente não ultrapassa um metro de comprimento.


Cobra papagaio (Corallus caninus)

Cobras não-peçonhentas - constritora
Cobra papagaio - constritora

Serpente arborícola não-peçonhenta, habitante da Floresta Amazônica. Assim como a jiboia e sucuri, mata suas presas por constrição. Pode alcançar dois metros de comprimento. Alimenta-se de roedores e morcegos. Possui hábitos noturnos e é vivípara.


Falsa coral (Oxyrhopus sp)

Cobras não-peçonhentas
Falsa coral - costuma ser confundida com a verdadeira que é altamente venenosa

Serpente não-peçonhenta, de hábitos noturnos, que imita o colorido das corais verdadeiras. Habita áreas abertas, cerrados e campos. É ovípara e pequena, raramente atinge um metro de comprimento.


Jiboia (Boa constrictor)

Cobras não-peçonhentas - Jiboia, cobra constritora
Jiboia - cobra constritora

Serpente não-peçonhenta que mata por constrição, envolvendo o corpo das presas e as esmagando. Pode alcançar até 4 metros de comprimento. Possui hábitos semi-arborícolas (muitas vezes é encontrada em árvores). Alimenta-se de roedores, lagartos e aves. É vivípara e de hábitos noturnos.

Sucuri (Eunectes murinus)

Cobras não-peçonhentas - Sucuri, a maior serpente brasileira
Sucuri, a maior serpente brasileira

Serpente não-peçonhenta de hábitos semi-aquáticos (muito encontrada em rios e lagos). É a maior serpente brasileira, podendo alcançar até 10 metros. Alimenta-se de mamíferos, aves e jacarés. Possui hábitos diurnos e é vivípara.

Cobra Verde (Philodryas olfersii)

Cobras não-peçonhentas

Cobra Verde - não-venenosa, mas com saliva tóxica 

Serpente que, apesar de pertencer à família de não-peçonhentas, pode causar acidentes sérios. A Cobra Verde é opistóglifa, ou seja, possui um dente inoculador de veneno situado no fundo da boca, na porção posterior do maxilar superior. Ela possui uma saliva tóxica, por isso deve-se tomar cuidado com possíveis acidentes. É um animal arborícola que se camufla nas copas de árvores, em função de seu colorido esverdeado. Pode alcançar até 1,40m e costuma se alimentar de pequenos mamíferos, aves, lagartos e anfíbios.
(Fonte:http://www.ivb.rj.gov.br/cobras_nao_venenosas.html)


VEJA TAMBÉM: 
http://mundoanimalevidaselvagem.blogspot.com.br/2016/11/como-diferenciar-cobras-venenosas-das.html

http://mundoanimalevidaselvagem.blogspot.com.br/2016/11/cobras-venenosas.html

COMO DIFERENCIAR COBRAS VENENOSAS DAS NÃO-VENENOSAS

APRENDENDO A IDENTIFICAR AS COBRAS PEÇONHENTAS E AS NÃO-PEÇONHENTAS

Peçonhentas ou não, cobras são sempre seres horripilantes! Ainda assim, elas têm a sua função na natureza e têm seus fãs também. E, como estamos cada vez  mais convivendo com animais de áreas que já foram mais isoladas, faz-se, portanto, muitíssimo importante conhecer melhor essa fauna.

cobras
Cobras

Embora horripilante, dos animais peçonhentos, a cobra é a menos perigosa para o homem. Piores do que ela, estão a Tarântula e a Aranha Marrom.

A maioria das espécies de cobras são de hábitos noturnos e possuem movimentos lentos. Sendo assim, a maior chance de ser picado por uma cobra venenosa é quando pisamos nela. Esta é a razão porque a maioria dos acidentes com picadas acontecem na perna, até a altura do joelho. Dessa forma, o equipamento de proteção individual mais indicado para atividades em matas ou florestas é uma bota de cano alto.


O reconhecimento de serpentes peçonhentas é de suma importância, pois no caso de uma picada há a necessidade de se informar as características desta para que o tratamento seja aplicado com eficácia.

A eficiência da terapêutica é muito maior com um soro específico do que com soros multivalentes. Assim, se o acidente for com cascavel é muito melhor injetar no paciente soro especificamente anticrotálico, do que um soro polivalente.


INFORMAÇÕES BÁSICAS:
 VENENOSA
 NÃO VENENOSA
 CABEÇA
 TRIANGULAR
 ARREDONDADA
 OLHOS
 PEQUENOS
 GRANDES
 FOSSETA (orifício entre os olhos e a narina)
 TEM
 NÃO TEM
DESENHO DAS ESCAMAS
 IRREGULARES
 SIMÉTRICOS
 CAUDA
 AFINA RAPIDAMENTE
 AFINA GRADATIVAMENTE
 DENTES
 2 PRESAS
 PEQUENOS E IGUAIS
 PICADA
 2 MARCAS MAIS PROFUNDAS
 ORIFÍCIOS PEQUENOS E IGUAIS

INFORMAÇÕES DETALHADAS
Cobras Venenosas
- Cabeça chata, triangular, bem destacada.
- Olhos pequenos, com pupila em fenda vertical e fosseta loreal entre os olhos e as narinas (quadradinho preto).
- Escamas do corpo alongadas, pontudas, imbricadas, com carena mediana, dando ao tato uma impressão de aspereza.
- Cabeça com escamas pequenas semelhantes às do corpo.
- Cauda curta, afinada bruscamente.
- Quando perseguida, toma atitude de ataque, enrodilhando-se.
Cobras Não Venenosas
- Cabeça estreita, alongada, mal destacada.
- Olhos grandes, com pupila circular, fosseta lacrimal ausente.
- Escamas achatadas, sem carena, dando ao tato uma impressão de liso, escorregadio.
- Cabeça com placas em vez de escamas.
- Cauda longa, afinada gradualmente.
- Quando perseguida, foge.
Saiba identificar as cobras venenosas e não-venenosas
Características das cobras venenosas e não-venenosas


No entanto, segundo o Instituto Vital Brasil, as características comumente mencionadas como úteis na identificação desses animais(cabeça triangular, cauda afinando rapidamente, formato da pupila e tamanho das escamas no alto da cabeça) não são totalmente decisivas para esse diagnóstico . A característica que deve ser observada é a presença da fosseta loreal (orifício entre o olho e a narina) existente em todas as serpentes peçonhentas das Américas, com exceção das corais verdadeiras.

Ainda assim, é recomendada à população comum que não se aproxime de qualquer tipo de cobra, pois a avaliação leiga poderá estar fatalmente equivocada.  

(Fonte: http://www.trilhasrj.com.br)



saiba diferenciar as cobras venenosas e não-venenosas