quinta-feira, 20 de abril de 2017

FLOR DO DIA - CRISTA-DE-GALO

CRISTA-DE-GALO
A aparência peculiar, dessa flor aveludada, com cores que vão do vermelho intenso, rosa, branco-creme, roxa, laranja até o amarelo vibrante, são características inconfundíveis da crista-de-galo.


As flores espessas, achatadas, felpudas ou emplumadas são ideais para arranjos internos e aparecem do meio ao fim do verão até meados do outono.  O caule é ereto, suculento e não ramificado. As folhas elípticas e em forma de lança são verdes ou vermelho-bronzeadas.  As plantas têm ciclo anual de vida e podem alcançar de 30 a 80 cm de altura.
Crista-de-galo, de nome científico celosia cristata - é conhecida também pelos nomes de: crista-plumosa, celosia-plumosa, suspiro.
As flores espessas, achatadas, felpudas ou emplumadas são ideais para arranjos internos e aparecem do meio ao fim do verão até meados do outono.
O caule é ereto, suculento e não ramificado. As folhas elípticas e em forma de lança são verdes ou vermelho-bronzeadas.
As plantas têm ciclo anual de vida e podem alcançar de 30 a 80 cm de altura.

As flores espessas, achatadas, felpudas ou emplumadas são ideais para arranjos internos e aparecem do meio ao fim do verão até meados do outono.  O caule é ereto, suculento e não ramificado. As folhas elípticas e em forma de lança são verdes ou vermelho-bronzeadas.  As plantas têm ciclo anual de vida e podem alcançar de 30 a 80 cm de altura.
FLOR CRISTA-DE-GALO
É considerada planta de corte, utilizada em arranjos florais, e facilmente encontrada no comércio. Cresce em quase todos os tipos de solos com boa drenagem, incluindo os arenosos, calcários ou argilosos. Pode ser cultivada em beira de muros e paredes, bordaduras de canteiros, maciços, forrações e vasos.

As flores espessas, achatadas, felpudas ou emplumadas são ideais para arranjos internos e aparecem do meio ao fim do verão até meados do outono.  O caule é ereto, suculento e não ramificado. As folhas elípticas e em forma de lança são verdes ou vermelho-bronzeadas.  As plantas têm ciclo anual de vida e podem alcançar de 30 a 80 cm de altura.
É considerada planta de corte, utilizada em arranjos florais, e facilmente encontrada no comércio. 
A planta multiplica-se facilmente por sementes produzidas em grande quantidade, que podem ser semeadas no decorrer do ano, principalmente no verão.
Suporta bem os ventos, desenvolve-se a pleno sol e prefere o calor ao frio intenso. Mas, depois de enraizada, torna-se mais tolerante ao frio ameno.

As flores espessas, achatadas, felpudas ou emplumadas são ideais para arranjos internos e aparecem do meio ao fim do verão até meados do outono.  O caule é ereto, suculento e não ramificado. As folhas elípticas e em forma de lança são verdes ou vermelho-bronzeadas.  As plantas têm ciclo anual de vida e podem alcançar de 30 a 80 cm de altura.
As flores espessas, achatadas, felpudas ou emplumadas são ideais para arranjos internos

Crista-de-galo, de nome científico celosia cristata - é conhecida também pelos nomes de: crista-plumosa, celosia-plumosa, suspiro. Possui 8 espécies, das quais, algumas são comestíveis.

A planta multiplica-se facilmente por sementes produzidas em grande quantidade, que podem ser semeadas no decorrer do ano, principalmente no verão. Suporta bem os ventos, desenvolve-se a pleno sol e prefere o calor ao frio intenso. Mas, depois de enraizada, torna-se mais tolerante ao frio ameno.
FLOR CRISTA-DE-GALO
Parente do amaranto (caruru), grão rico em fibras e proteínas, a celosia tem folhas e brotos que podem ser cozidos e comidos como um vegetal.
Durante séculos foi alimento em várias partes da África e é usado na Medicina Tradicional Chinesa para melhorar a visão e reduzir diversos tipos de sangramento.

Crista-de-galo, de nome científico celosia cristata - é conhecida também pelos nomes de: crista-plumosa, celosia-plumosa, suspiro. Possui 8 espécies, das quais, algumas são comestíveis.
FLOR CRISTA-DE-GALO
Crista-de-galo, de nome científico celosia cristata - é conhecida também pelos nomes de: crista-plumosa, celosia-plumosa, suspiro. Possui 8 espécies, das quais, algumas são comestíveis.
FLOR CRISTA-DE-GALO

 
É considerada planta de corte, utilizada em arranjos florais, e facilmente encontrada no comércio. Cresce em quase todos os tipos de solos com boa drenagem, incluindo os arenosos, calcários ou argilosos. Pode ser cultivada em beira de muros e paredes, bordaduras de canteiros, maciços, forrações e vasos.
Parente do amaranto (caruru), grão rico em fibras e proteínas, a celosia tem folhas e brotos que podem ser cozidos e comidos como um vegetal. 
 (Fonte da pesquisa: wikipedia)

COBRAS PÍTON

PÍTON - Uma serpente constritora, não peçonhenta.

A presa é morta por um processo conhecido como constrição; após um animal ser capturado, para contê-lo, a serpente enrola seu corpo várias vezes em volta do bicho. Em seguida, a serpente aplica e mantém uma pressão suficiente para asfixiar a vítima, às vezes até para quebrar os seus ossos.
As pítons costumam comer anfíbios, répteis e pequenos roedores. As  maiores normalmente se alimentam de pássaros e pequenos mamíferos, mas podem comer jacarés, cervos, capivaras, entre outro mamíferos de médio porte.
Píton comendo canguru - A serpente pode chegar até 10 metros de comprimento.

A presa é engolida inteira e pode levar dias ou até mesmo semanas para a digestão terminar. Depois de uma grande refeição, cobra píton pode ficar meses sem se alimentar.
Apesar de seu tamanho intimidador e da sua potência muscular, eles geralmente não são perigosas para os seres humanos.

As pítons costumam comer anfíbios, répteis e pequenos roedores. As  maiores normalmente se alimentam de pássaros e pequenos mamíferos, mas podem comer jacarés, cervos, capivaras, entre outro mamíferos de médio porte.
Elas costumam atacar suas presas de surpresa e a partir de um esconderijo.
A velocidade da pressão aplicada é impressionante e a força exercida pode ser significativa, mas a morte é provocada principalmente pela asfixia da vítima, por ela não ser capaz de mover suas costelas para respirar enquanto está sendo apertada.
Píton comendo canguru

Ao contrário da crença popular, até mesmo as espécies maiores não esmagam suas presas até a morte; na verdade, a presa nem mesmo fica visivelmente deformada antes de ser ingerida. A velocidade da pressão aplicada é impressionante e a força exercida pode ser significativa, mas a morte é provocada principalmente pela asfixia da vítima, por ela não ser capaz de mover suas costelas para respirar enquanto está sendo apertada.

Píton comendo canguru
Uma grande píton pode chegar até 10 metros de comprimento. Assim como a maioria das outras cobras, os pítons se reproduzem por meio de ovos.


Ao contrário da crença popular, até mesmo as espécies maiores não esmagam suas presas até a morte; na verdade, a presa nem mesmo fica visivelmente deformada antes de ser ingerida. A velocidade com que os 'rolos' são aplicados é impressionante e a força exercida pode ser significativa, mas a morte é provocada principalmente pela asfixia da vítima, por ela não ser capaz de mover suas costelas para respirar enquanto está sendo apertada.
Píton comendo canguru