terça-feira, 29 de novembro de 2016

COMO É PRODUZIDO O ANTÍDOTO PARA VENENO DE COBRA

COMO É PRODUZIDO O ANTÍDOTO PARA VENENO DE COBRA
Como é produção o soro aniofídico
Produção de soro antiofídico


O antídoto contra o veneno de cobra é preparado a partir de soro de cavalos que são imunizados contra a peçonha de cobras. Doses crescentes de veneno são injetadas durante um período para que o animal fabrique anticorpos contra o mesmo.
Depois de um determinado período, o sangue do animal é retirado e os anticorpos são separados por meio de centrifugação, esse material passa ainda por um processo de remoção de agua e, entao, é armazenado o soro anti-ofídico para uso em pacientes mordidos por cobras.

É possível injetar mais de um tipo de veneno no cavalo, por exemplo; de jararaca e cascavel no cavalo, a fim de que faça anticorpos contra ambos as serpentes. Isto é feito e existem soros bivalentes: antibotrópico e anticrotálico (contra jararaca e cascavel), antilaquético e antibotrópico (contra surucucu e jararaca), etc.
Entretanto, a eficiência da terapêutica é muito maior com um soro específico do que com soros multivalentes. Assim, se o acidente for com cascavel é muito melhor injetar no paciente soro especificamente anticrotálico, do que um soro polivalente.

soro contra veneno de cobra
Extração do veneno de cobra
No Brasil são produzidos basicamente os seguintes soros antiofídicos:
Antibotrópico = contra acidentes de jararacas
Anticrotálico = contra acidentes de cascavel
Antilaquético = contra acidentes de surucucu
Antielapídido = contra acidentes de cobra-coral
Anticrotálico-botrópico = contra acidentes com cascavéis e jararacas
Antibotrópico-laquético = contra acidentes com jararacas e surucucus


IMPORTANTE !
O QUE OBSERVAR NO MOMENTO DO ACIDENTE COM UMA COBRA

- Verifique a coloração do corpo do animal que lhe mordeu. Os característicos anéis coloridos das cobras corais são gritantes. Você poderá dizer ao médico se foi ou não uma cobra coral. A confusão com as serpentes corais falsas é irrelevante, pois não trará nenhum perigo à sua saúde.
- Se não for coral, veja bem a cauda da cobra se tem ou não o chocalho típico da cascavel. O chocalho também se ouve: antes de dar o bote, a cascavel balança vigorosamente a cauda para lhe espantar com o ruído. O chocalho é muito óbvio e fácil de reconhecer. Já as escamas eriçadas da cauda da surucucu é muito mais difícil de ver.
- Tome nota da hora em que a pessoa for picada. É uma informação preciosa para o posto de socorro. Por exemplo, poderá servir ao médico para diferenciar a cobra coral verdadeira da falsa: se após pouco tempo você não tem nenhum dos sintomas clínicos de envenenamento ofídico, ficará algum tempo em observação sem tomar soro. O tempo decorrido entre o acidente e a intensidade dos sintomas também é fundamental para avaliar a gravidade do caso e guiará a terapêutica a ser aplicada.
- Se não tiver nenhuma observação sobre a cobra, pelo menos informe os aspectos do local em que aconteceu o acidente: floresta, areia, rochas expostas, etc..

(Fonte:wikipdia)

Como Agir Em Caso de Acidentes Com Animais Peçonhentos - PRIMEIROS-SOCORROS

PRIMEIROS-SOCORROS - O QUE FAZER E O QUE NÃO FAZER EM CASO DE ACIDENTES COM ANIMAIS PEÇONHENTOS 

Acidentes com animais peçonhentos - como agir - Você saberia o que fazer caso sofresse um acidente com algum animal venenoso ou precisasse socorrer um acidentado ? A maioria de nós não faz ideia de como agir. E o pior é quando aplicamos os procedimentos incorretos, e acabamos levando à uma piora no quadro clínico do acidentado.
Primeiros-atendimentos - faça a coisa certa 

Você saberia o que fazer caso sofresse um acidente com algum animal venenoso ou precisasse socorrer um acidentado ?
A maioria de nós não faz ideia de como agir. E o pior é quando aplicamos os procedimentos incorretos, e acabamos levando à uma piora no quadro clínico do acidentado.
Acidente com cobras - o que fazer e o que não fazer
Como agir em caso de acidente com cobras

Lembre-se que o socorro e as observações a serem feitos nos primeiros momentos podem ser decisivos na recuperação do acidentado! 


Veja o que fazer e o que não fazer em caso de picadas de cobra, escorpião, aranha, lacraia ou outros que passam injetar alguma alguma toxina em nosso organismo:

O que fazer
 Lavar o local da picada com água e sabão
 Manter o acidentado em repouso. Se a picada for no braço ou na perna, estas extremidades devem ficar levantadas
 Levar o acidentado imediatamente ao polo de atendimento mais próximo. É importante que o tratamento seja rápido e realizado por profissionais de saúde qualificados, em unidades de atendimento médico especializadas.

Atenção! O que NÃO fazer
Não amarrar ou fazer torniquetes ou garrotes. O garrote impede a circulação do sangue, o que piora a situação.
Não colocar folhas, pó de café, fezes ou quaisquer outras substâncias no local da picada, pois podem provocar infecção.
Não fazer cortes no local da picada, pois, somados aos efeitos do veneno, podem induzir hemorragias e infecções.
Não ingerir bebida alcoólica


Em caso de aparecimento de animais peçonhentos em sua residência, procure os órgãos públicos de saúde municipal de sua cidade: Vigilância Ambiental em Saúde ou Controle de Zoonozes. Eles realizarão captura, remoção e/ou controle destes animais

(Fonte:http://www.ivb.rj.gov.br/primeiros_socorros.html)

Acidentes com animais venenosos
Tratamentos contra o veneno de cobra

Observação importante nos  acidentes com cobras :

1 - O médico pode ser capaz de diagnosticar pelos aspectos clínicos o tipo de cobra que mordeu a pessoa, pois
a prática clínica com vítimas de peçonhas leva ao reconhecimento correto da cobra responsável pelo acidente. Mas com o número desses acidente sendo de 1.500 a 2.000 casos mensais em todo o Brasil, são poucos os médicos que têm experiência suficiente para reconhecer os quadros clínicos específicos de cada gênero de serpente.

2 – Os hospitais possuem teste para detectar o tipo de veneno e também a quantidade que foi injetada pelo animal na vítima. Mas há 2 problemas: primeiro, os testes são demorados e o paciente não pode aguardar horas para a realização do mesmo, e segundo, nas atuais condições em que a saúde pública se encontra, a dificuldade técnica e o custo acabam limitando sua utilização.
Então, quando o paciente chega ao posto de atendimento é preciso agir com rapidez e com os meios disponíveis: soros e outros remédios.

Sendo assim, é importante que a vítima seja capaz de informar a espécie (pelo menos o gênero) de cobra que a mordeu: jararaca, cascavel, surucucu ou coral. Capturar o animal – vivo ou morto – para levá-lo até o centro médico, seria uma ótima ideia, mas desde que essa captura não resulte em novas mordidas. O animal morto ou imobilizado, poderá ser examinado com calma e de uma forma minuciosa.
Uma foto do animal também serviria.

(Fonte: http://www.trilhasrj.com.br/integra_dicasimportantes.php?secao=dicasimportantes&id=3)

segunda-feira, 28 de novembro de 2016

LEITE DE POMBO - O QUE É ISSO ?

Leite de pombos - Alguns podem estar se perguntando; desde quando pombo amamenta??!! Digo logo que não. Pombos não amamentam !! Ainda assim eles produzem uma substância semelhante ao leite. O que seria esse leite, então ?

Leite de pombos ou leite de papo
Pombo alimentando os filhotes 
Leite de pombo é uma secreção espessa, semelhante à coalhada,  produzida por pombos para alimentar seus filhotes recém-nascidos.  

Como funciona a produção desse "leite de pombo ou leite de papo"?


Leite de pombo é uma secreção espessa, parecida com coalhada,  produzida pelos pombos que estão prestes a terem seus filhotes, e é utilizada para
Anatomia interna dos pombos
Todas as aves possuem papo, que é uma dilatação no esôfago, situado logo do abaixo do pescoço. É ali que os alimentos são armazenados e permanecem , aguardando o início do processo de digestão. Essa armazenagem permite uma diminuição da frequência de refeições 
O papo também permite a regurgitação de alimentos previamente digeridos para os filhotes.
No entanto, esse ainda não é o processo de produção do chamado leite de pombos. 






Embora todas as aves possuam papos capazes de regurgitar alimentos, nos pombos, mais precisamente naqueles que se encontram em período de incubação, ocorre a produção do que chamamos de leite de pomba.  
Essa secreção , popularmente denominada leite de pombo, pode ser produzida, também,  por flamingo e alguns pinguins
Pombo 
Enquanto chocam seus ovos, ocorre o espessamento do revestimento interno do papo do casal de pombos. Pouco antes dos filhotes saírem dos ovos, estas células desprendem-se, formando o "leite de pomba", uma substância semelhante à uma coalhada, que é rico em proteína e gordura, e que é regurgitado para os filhotes. Assim os pais podem alimentar seus filhotes recém-nascidos mesmo em épocas de dificuldades alimentares, apenas mais adiante é que outros alimentos passam a ser regurgitados na boca dos filhotes. 

Essa secreção , popularmente denominada leite de pombo, pode ser produzida, também,  por flamingo e alguns pinguins .



domingo, 27 de novembro de 2016

COLUMBA LIVIA OU POMBO COMUM - CARACTERÍSTICAS, HÁBITOS E HABITATS

 COLUMBA LIVIA OU POMBO COMUM, POMBO DOMÉSTICO E POMBO-DAS-ROCHAS

Pombo comum
Pomba branca



Pombo comum, pombo doméstico, columba livia
pombo-das-rochas
Verifica-se grande variação no padrão de cores do pombo Columba livia, (também conhecido como pombo-comum, pombo-doméstico ou pombo-das-rochas) havendo exemplares brancos, marrons, manchados e acinzentados. Há poucas diferenças visíveis entre machos e fêmeas. Sua plumagem é normalmente em tons cinza, mais claro nas asas que no peito e cabeça, com cauda riscada de negro e pescoço esverdeado. Caracterizam-se, em geral, pelos reflexos metálicos na plumagem, cabeça e pés pequenos e bico com elevação na base, sendo a ponta deste em forma de gancho, costumando ser negro, curto e fino, com 3,8 cm de comprimento médio. Geralmente são monogâmicos, tendo dois filhotes por ninhada. Ambos os pais cuidam do filhote por um tempo.

pombo-das-rochas, pombo  comum, columba livia
Pombo doméstico

Seus habitats incluem vários ambientes abertos e semi-abertos. Brechas entre rochas costumam ser usadas para se empoleirar e reproduzirem, quando na natureza. É criado por asiáticos desde a antiguidade mais remota — há imagens que o representam, na Mesopotâmia, datadas de 4.500 a.C., e com o passar do tempo se estabeleceram ao redor do mundo, principalmente nas cidades, e atualmente a espécie é abundante.

Atualmente são vistos como animais sinantrópicos. Não há nenhum predador nas grandes cidades para este animal e sua reprodução é rápida, o que gera uma população cada vez maior, um grave problema ambiental ao homem, já que abrigam alguns parasitas que podem ser nocivos à saúde humana.

pombo-das-rochas, pombo doméstico ou pombo comum
Pombo doméstico
O adulto mede em média entre 32 e 37 cm de comprimento com uma envergadura variando entre 64 e 72 cm. Tem uma cabeça cinza-azulada e escura, tendo pescoço e o peito com tons amarelados brilhantes e penas das asas com manchas verde e vermelho-púrpura. A íris é laranja, vermelho ou dourado com um anel pálido interno, e o olho é cinza-azulado. A fêmea adulta é quase idêntica ao macho, mas a iridescência no pescoço é menos intensa e mais restrita para sua parte traseira e nas laterais, enquanto que o peito é muitas vezes mais obscuro. A cauda tem uma faixa preta na extremidade, enquanto que na faixa externa há uma "margem" branca. Sua asa é forte e rápida, devido às necessidades de adaptação às características dos ambientes de onde se originaram e vivem.

A cor dos olhos do pombo é geralmente laranja, mas alguns poucos podem ter olhos com tom cinzento. As pálpebras são cor de laranja e encapsuladas em um anel ocular branco-acinzentado. Os pés são de vermelho para rosa. Aves jovens mostram menor intensidade de brilho.

Em voo
O voo do pombo-das-rochas
Pombo-das-rochas em voo
Quando sobrevoa com a asa superior o branco da ave se torna visível. Quando em fuga, é típico pronunciar algo parecido com um "COO". Apesar de os campos serem ricos em grãos e alimentos verdes, em lugar nenhum do campo são tão abundantes como nas cidades.

Pombos alimentam-se no chão em bandos ou individualmente. Eles pousam e abrigam-se juntos em edifícios, muros ou estátuas. Ao beber, a maioria das aves toma pequenos goles e inclinam a cabeça para trás para engolir a água. São capazes de andar pelas suas poças de água e beber continuamente.

Os pais fornecem o ''leite de pomba'' aos recém-nascidos, que é o único alimento dos filhotes nos primeiros dias de vida, sendo que em seguida, a dieta é enriquecida com sementes semi-digeridas que os pais regurgitam diretamente no papo dos filhotes. É o “leite de pomba” que permite aos filhotes sobreviverem mesmo nas épocas de escassez de insetos ou outras fontes de alimentos.

Pombos podem ser treinados
Pombos são receptivos a treinamentos 
Pombos teleguiados e treinados são bem conhecidos pela habilidade de encontrar seu caminho para casa a partir de longas distâncias. Apesar destas habilidades demonstradas em alguns, os pombos selvagens são sedentários e raramente deixam suas áreas.

sexta-feira, 25 de novembro de 2016

POMBOS - UMA PRAGA URBANA

 NÃO ALIMENTE OS ANIMAIS 

VEJA OS RISCOS QUE OS POMBOS OFERECEM À SAÚDE HUMANA E OS PROBLEMAS AMBIENTAIS PROVOCADOS POR ELES:

Ver uma criança brincando entre os pombos, fazendo-os levantar voo é muito lindo. E alimentar os animais é um gesto humano, altruísta e muito lindo também. Mas, os efeitos não são nada bonitos!

NÃO ALIMENTE OS ANIMAIS
Não alimente os animais
Vários fungos e bactérias podem se desenvolver no corpo e nas fezes ressecadas dos pombos. A inalação da poeira desses restos, além do consumo de água e alimentos contaminados por estes micro-organismos, pode causar graves doenças respiratórias, como a Criptococose e a Histopasmose.

Problemas ambientais provocados por pombos
• As fezes dos pombos podem contaminar a água e os alimentos, tornando-os impróprios para o consumo.
 • As fezes ácidas dos pombos causam danos em pinturas, superfícies metálicas, monumentos e fachadas.
 • Em locais onde os pombos são alimentados ocorre proliferação de roedores e insetos.

Principais doenças transmitidas por meio de fezes e dejetos dos pombos:
• Criptococose
• Histoplasmose
• Clamidiose
• Salmonelose
• Dermatites
• Alergias

Pombos - pragas urbanas
pombo (Columba livia)
Nas grandes cidades há muitas pessoas que alimentam os pombos com milho, pão e até restos de refeições. Recebendo esse alimento, as aves deixam de buscar na natureza os alimentos adequados à sua dieta, como grãos, frutos e sementes. A oferta ou escassez de alimentos influencia a reprodução dos pombos. Em locais onde há fartura de alimentos ocorre o aumento da população destas aves. Se há escassez de alimentos, a população tende a diminuir até chegar a um patamar de equilíbrio. Sua densidade populacional é relacionada às particularidades dos locais que habitam, e à facilidade de acesso ao alimento e ao abrigo.

Métodos de manejo populacional de pombos

Pombos sendo alimentados na rua
Proliferação de pombos nas cidades
 Medidas de médio e longo prazo
• Uso de pombais de reprodução controlada: Consiste na construção de pombais como pontos de concentração e nidificação das aves, onde os ovos e os ninhos são destruídos de forma controlada. É uma técnica que requer persistência, pois os ovos devem ser quebrados a cada duas semanas, até que a mortalidade natural elimine as aves adultas. Deve ser empregada junto a outras medidas de controle.
• Controle de abrigos
• Evitar alimentar as aves em locais inadequados

 Medidas de curto prazo
 Funcionam como barreiras físicas que impedem ou dificultam o pouso e a instalação das aves.

• Inclinação de superfícies de pouso
•  Emprego de acessórios desestabilizadores de pouso
•  Vedação de espaços de abrigos
•  Uso de telas protetoras


O POMBO
pomba da paz
Pomba branca
O pombo (Columba livia) é uma ave que faz parte da família dos columbídeos, originária da Europa. Foram introduzidos por volta do século XVI na América do Sul, e se adaptaram aos centros urbanos pela facilidade de encontrar abrigo e alimento. São encontrados no mundo todo, principalmente nas grandes cidades, com exceção das regiões polares. Na natureza, os pombos têm a função de controlar insetos e disseminar sementes das plantas que utilizam como alimento - as sementes são eliminadas nas fezes, prontas para germinar no solo.

Abrigam-se em locais altos, como torres de igreja, forro de telhados, topos e beirais de edifícios, vãos de instalação de ar condicionado, etc. São aves não migratórias e permanecem no mesmo local a vida inteira. Fazem seus ninhos de forma muito rudimentar e com qualquer material, como gravetos de árvores, canudos plásticos, pregos, e até esqueletos de outros pombos sobre seu próprio excremento.

Os pombos vivem de 15 a 30 anos na natureza, e somente de 3 a 5 anos nas cidades. Formam casais por toda a vida, tendo de quatro a seis ninhadas por ano, cada uma com até dois filhotes - os ovos são incubados por 17 a 19 dias. Os filhotes começam a voar com 30 dias, e tornam-se adultos entre seis e oito meses de idade.
pomba da paz
Pomba da paz

terça-feira, 22 de novembro de 2016

COBRAS VENENOSAS

CONHEÇA ALGUMAS DAS COBRAS MAIS PEÇONHENTAS E COMUNS NAS AMÉRICAS


Cobras venenosas são aquelas que representam risco de acidentes, pela picada, e cujo veneno ocasiona diversos sintomas. Podem conduzir à morte caso não haja tratamento específico adequado. É importante que o tratamento seja rápido e realizado por profissionais de saúde qualificados, em unidades de atendimento médico especializadas.

A característica mais importante a ser observada nas cobras é a presença da fosseta loreal (orifício entre o olho e a narina) existente em todas as serpentes peçonhentas das Américas, com exceção das corais verdadeiras. No entanto, é recomendado que se mantenha distância de quaisquer cobras.

Cascavel (Crotalus durissus)

Cascavel - cobras peçonhentas das Américas
Cascavel
Serpente peçonhenta que habita áreas abertas, como campos e cerrados. É vivípara e se caracteriza por possuir um chocalho na ponta da cauda, formado por diversos guizos. Cada muda acrescenta um novo guizo, e o número de guizos, portanto, não representa a idade da serpente em anos. Além disso, especialmente nas cascavéis mais velhas, os guizos terminais frequentemente se perdem, de modo que o número total de guizos não indica nem o número total de mudas.







Coral Verdadeira (Micrurus sp)

Cobra Coral Verdadeira
Cobra coral
São serpentes peçonhentas normalmente pequenas e de colorido vistoso, com anéis vermelhos, pretos e brancos ou amarelos em sequências diversas. Possuem hábitos fossoriais (vivem embaixo da terra) e são ovíparas.










Jararaca (Bothrops jararaca)

Jararaca - cobras peçonhentas das Américas
Jararaca
Serpente peçonhenta, pertencente ao grupo que mais causa acidente no Brasil. Vive em matas, porém se adapta muito bem as áreas urbanas e próximas à cidade.  Vivípara, vive em ambientes preferencialmente úmidos, como beira de rios e córregos, onde também se encontram ratos e sapos, seus alimentos preferidos. Dorme durante o dia debaixo de folhagens secas e úmidas.








Jararacuçu (Bothrops jararacussu)

Jararacuçu - cobras peçonhentas das Américas
Jararacuçu
Serpente venenosa que pertence à família dos viperídeos e pode chegar dois metros de comprimento. Na língua tupi-guarani, "jarara" significa “o bote da cobra”, e "uçu” ou “ussu" grande, longo. Assim, jararacuçu lembra a longa distância que a cobra pode atingir ao dar o bote. A espécie é considerada muito perigosa, pois sua picada pode injetar uma grande quantidade de veneno. Possui uma dieta composta principalmente por pequenos mamíferos, aves e anfíbios.







Surucucu pico de jaca (Lachesis muta)

Surucucu pico de jaca (Lachesis muta)
Surucucu pico de jaca
É a maior serpente peçonhenta das Américas. Pode ultrapassar 4 metros de comprimento. Vive em matas primárias e, diferentes dos outros viperídeos (família de serpentes venenosas) brasileiros, são ovíparas. 











(Fonte: http://www.ivb.rj.gov.br/cobras_venenosas.html)


VEJA TAMBÉM : 
http://mundoanimalevidaselvagem.blogspot.com.br/2016/11/como-diferenciar-cobras-venenosas-das.html

http://mundoanimalevidaselvagem.blogspot.com.br/2016/11/cobras-nao-peconhentas.html

COBRAS NÃO-PEÇONHENTAS

COBRAS NÃO-PEÇONHENTAS - CONHEÇA ALGUMAS DELAS 

Cobras não-peçonhentas são aquelas que não representam risco de morte. Apesar de não terem veneno, esses seres rastejantes podem causar, além arrepios, acidentes com sintomas bastante incômodos, como dor, dormência, vermelhidão, inchaço, febre, sensação de queimação e até mesmo a transmissão de tétano, infecções secundárias e outras doenças. Portanto, é aconselhável ficar longe delas e, em caso de acidente, procurar atendimento médico imediato para uma melhor avaliação e tratamento.


Caninana (Spilotes pullatus)

Cobras não-peçonhentas
Cobra caninana

Serpente não-peçonhenta com hábitos semi-arborícolas (muitas vezes pode ser encontrada em árvores). Diurna, habita matas e cerrados. Atinge até 2,5 metros de comprimento. Pode se tornar agressiva. Quando isso acontece, infla a região atrás da cabeça e dá botes para sua defesa. É ovípara e alimenta-se de aves e roedores.

Cobra cipó (Chironius sp)

Cobras não-peçonhentas

Cobra cipó - vive em árvores


Serpente não-peçonhenta de hábitos semi-arborícolas. Seu nome vulgar vem de sua coloração, pois se camufla nas árvores, confundindo-se com o ambiente. Ovípara, habita matas e capoeiras. Alimenta-se preferencialmente de anfíbios, possuindo hábitos diurnos. Pode alcançar pouco mais de um metro de comprimento.


Cobra d´água (Liophis miliaris)

Cobras não-peçonhentas

Cobra d´água


Serpente não-peçonhenta de hábitos aquáticos, que habita rios e lagos. Alimenta-se principalmente de peixes e anfíbios. É ovípara e possui hábito tanto diurno quanto noturno. Pequena, normalmente não ultrapassa um metro de comprimento.


Cobra papagaio (Corallus caninus)

Cobras não-peçonhentas - constritora
Cobra papagaio - constritora

Serpente arborícola não-peçonhenta, habitante da Floresta Amazônica. Assim como a jiboia e sucuri, mata suas presas por constrição. Pode alcançar dois metros de comprimento. Alimenta-se de roedores e morcegos. Possui hábitos noturnos e é vivípara.


Falsa coral (Oxyrhopus sp)

Cobras não-peçonhentas
Falsa coral - costuma ser confundida com a verdadeira que é altamente venenosa

Serpente não-peçonhenta, de hábitos noturnos, que imita o colorido das corais verdadeiras. Habita áreas abertas, cerrados e campos. É ovípara e pequena, raramente atinge um metro de comprimento.


Jiboia (Boa constrictor)

Cobras não-peçonhentas - Jiboia, cobra constritora
Jiboia - cobra constritora

Serpente não-peçonhenta que mata por constrição, envolvendo o corpo das presas e as esmagando. Pode alcançar até 4 metros de comprimento. Possui hábitos semi-arborícolas (muitas vezes é encontrada em árvores). Alimenta-se de roedores, lagartos e aves. É vivípara e de hábitos noturnos.

Sucuri (Eunectes murinus)

Cobras não-peçonhentas - Sucuri, a maior serpente brasileira
Sucuri, a maior serpente brasileira

Serpente não-peçonhenta de hábitos semi-aquáticos (muito encontrada em rios e lagos). É a maior serpente brasileira, podendo alcançar até 10 metros. Alimenta-se de mamíferos, aves e jacarés. Possui hábitos diurnos e é vivípara.

Cobra Verde (Philodryas olfersii)

Cobras não-peçonhentas

Cobra Verde - não-venenosa, mas com saliva tóxica 

Serpente que, apesar de pertencer à família de não-peçonhentas, pode causar acidentes sérios. A Cobra Verde é opistóglifa, ou seja, possui um dente inoculador de veneno situado no fundo da boca, na porção posterior do maxilar superior. Ela possui uma saliva tóxica, por isso deve-se tomar cuidado com possíveis acidentes. É um animal arborícola que se camufla nas copas de árvores, em função de seu colorido esverdeado. Pode alcançar até 1,40m e costuma se alimentar de pequenos mamíferos, aves, lagartos e anfíbios.
(Fonte:http://www.ivb.rj.gov.br/cobras_nao_venenosas.html)


VEJA TAMBÉM: 
http://mundoanimalevidaselvagem.blogspot.com.br/2016/11/como-diferenciar-cobras-venenosas-das.html

http://mundoanimalevidaselvagem.blogspot.com.br/2016/11/cobras-venenosas.html

COMO DIFERENCIAR COBRAS VENENOSAS DAS NÃO-VENENOSAS

APRENDENDO A IDENTIFICAR AS COBRAS PEÇONHENTAS E AS NÃO-PEÇONHENTAS

Peçonhentas ou não, cobras são sempre seres horripilantes! Ainda assim, elas têm a sua função na natureza e têm seus fãs também. E, como estamos cada vez  mais convivendo com animais de áreas que já foram mais isoladas, faz-se, portanto, muitíssimo importante conhecer melhor essa fauna.

cobras
Cobras

Embora horripilante, dos animais peçonhentos, a cobra é a menos perigosa para o homem. Piores do que ela, estão a Tarântula e a Aranha Marrom.

A maioria das espécies de cobras são de hábitos noturnos e possuem movimentos lentos. Sendo assim, a maior chance de ser picado por uma cobra venenosa é quando pisamos nela. Esta é a razão porque a maioria dos acidentes com picadas acontecem na perna, até a altura do joelho. Dessa forma, o equipamento de proteção individual mais indicado para atividades em matas ou florestas é uma bota de cano alto.


O reconhecimento de serpentes peçonhentas é de suma importância, pois no caso de uma picada há a necessidade de se informar as características desta para que o tratamento seja aplicado com eficácia.

A eficiência da terapêutica é muito maior com um soro específico do que com soros multivalentes. Assim, se o acidente for com cascavel é muito melhor injetar no paciente soro especificamente anticrotálico, do que um soro polivalente.


INFORMAÇÕES BÁSICAS:
 VENENOSA
 NÃO VENENOSA
 CABEÇA
 TRIANGULAR
 ARREDONDADA
 OLHOS
 PEQUENOS
 GRANDES
 FOSSETA (orifício entre os olhos e a narina)
 TEM
 NÃO TEM
DESENHO DAS ESCAMAS
 IRREGULARES
 SIMÉTRICOS
 CAUDA
 AFINA RAPIDAMENTE
 AFINA GRADATIVAMENTE
 DENTES
 2 PRESAS
 PEQUENOS E IGUAIS
 PICADA
 2 MARCAS MAIS PROFUNDAS
 ORIFÍCIOS PEQUENOS E IGUAIS

INFORMAÇÕES DETALHADAS
Cobras Venenosas
- Cabeça chata, triangular, bem destacada.
- Olhos pequenos, com pupila em fenda vertical e fosseta loreal entre os olhos e as narinas (quadradinho preto).
- Escamas do corpo alongadas, pontudas, imbricadas, com carena mediana, dando ao tato uma impressão de aspereza.
- Cabeça com escamas pequenas semelhantes às do corpo.
- Cauda curta, afinada bruscamente.
- Quando perseguida, toma atitude de ataque, enrodilhando-se.
Cobras Não Venenosas
- Cabeça estreita, alongada, mal destacada.
- Olhos grandes, com pupila circular, fosseta lacrimal ausente.
- Escamas achatadas, sem carena, dando ao tato uma impressão de liso, escorregadio.
- Cabeça com placas em vez de escamas.
- Cauda longa, afinada gradualmente.
- Quando perseguida, foge.
Saiba identificar as cobras venenosas e não-venenosas
Características das cobras venenosas e não-venenosas


No entanto, segundo o Instituto Vital Brasil, as características comumente mencionadas como úteis na identificação desses animais(cabeça triangular, cauda afinando rapidamente, formato da pupila e tamanho das escamas no alto da cabeça) não são totalmente decisivas para esse diagnóstico . A característica que deve ser observada é a presença da fosseta loreal (orifício entre o olho e a narina) existente em todas as serpentes peçonhentas das Américas, com exceção das corais verdadeiras.

Ainda assim, é recomendada à população comum que não se aproxime de qualquer tipo de cobra, pois a avaliação leiga poderá estar fatalmente equivocada.  

(Fonte: http://www.trilhasrj.com.br)



saiba diferenciar as cobras venenosas e não-venenosas

sexta-feira, 18 de novembro de 2016

DIREITO DOS ANIMAIS

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS DOS ANIMAIS PROCLAMADA PELA UNESCO EM SESSÃO REALIZADA EM BRUXELAS, EM 27 DE JANEIRO DE 1978


DIREITO ANIMAL
Direito animal
Considerando que cada animal tem direitos;

Considerando que o desconhecimento e o desprezo destes direitos levaram e continuam levando o homem a cometer crimes contra a natureza e contra os animais;

Considerando que o reconhecimento por parte da espécie humana do direito à existência das outras espécies animais, constitui o fundamento da coexistência das espécies no mundo;

Considerando que genocídios são perpetrados pelo homem e que outros ainda podem ocorrer;

Considerando que o respeito pelos animais por parte do homem está ligado ao respeito dos homens entre si;

Considerando que a educação deve ensinar à infância a observar, compreender e respeitar os animais,

PROCLAMA-SE:

DIREITO ANIMAL
DIREITO ANIMAL








Os animais também precisam de proteção
Os animais também precisam de proteção

Art. 1º -

Todos os animais nascem iguais diante da vida e tem o direito a existência.

Art. 2º -
a) Cada animal tem o direito ao respeito.
b) O homem, enquanto espécie animal, não pode atribuir-se o direito de  exterminar os outros animais ou explorá-los, violando este direito. Ele tem o  dever de colocar a sua consciência a serviço dos outros animais.
c) Cada animal tem o direito à consideração, à cura e à proteção do homem.

Art. 3º -
a) Nenhum animal deverá ser submetido a maltrato e a atos cruéis.
b) Se a morte de um animal é necessária, deve ser instantânea, sem dor nem angústia.
Os animais também precisam de proteção
Os animais também precisam de proteção
Art. 4º -

a) Cada animal que pertence à uma espécie selvagem, tem o direito de viver  livre no seu ambiente natural terrestre, aéreo ou aquático e tem o direito de reproduzir-se.
b) A privação da liberdade, ainda que para fins educativos, é contrária a este direito.

Art. 5º -
a) Cada animal pertence à uma espécie, que vive habitualmente no ambiente do homem, tem o direito de viver e crescer segundo o ritmo e as condições de vida e de liberdade, que são próprias da sua espécie.
b) Toda modificação deste ritmo e destas condições impostas pelo homem para fins mercantis é contrária a este direito.

Art. 6º -
a) Cada animal que o homem escolher para companheiro tem o direito a uma duração de vida, conforme sua natural longevidade.
b) O abandono de um animal é um ato cruel e degradante.

Art. 7º -
Cada animal que trabalha tem o direito a uma razoável limitação do tempo e intensidade do trabalho, a uma alimentação adequada e repouso.

Os animais também precisam de proteção
Leis que protegem os animais
Art. 8º -
a) A experimentação animal, que implica em um sofrimento físico e psíquico, é incompatível com os direitos do animal, quer seja uma experiência médica, científica, comercial ou qualquer outra.
b) As técnicas substitutivas devem ser utilizadas e desenvolvidas.

Art. 9º -
No caso do animal ser criado para servir de alimentação, deve ser nutrido, alojado, transportado e morto sem que para ele resulte ansiedade ou dor.

Art. 10 -
a) Nenhum animal deve ser usado para divertimento do homem.
b) A exibição dos animais e os espetáculos, que utilizam animais são incompatíveis com a dignidade do animal.

Art. 11 -
O ato que leva à morte de um animal sem necessidade, é um biocídio, ou seja, um delito contra a vida.

Os animais sentem dor, frio e fome como todos nós
Os animais sentem dor, frio e fome como todos nós
Art. 12 -
a) Cada ato que leva à morte de um grande número de animais selvagens, é um genocídio, ou seja, um delito contra a espécie.
b) O aniquilamento e a destruição do ambiente natural levam ao genocídio.

Art. 13 -
a) O animal morto dever ser tratado com respeito.
b) As cenas de violência de que os animais são vítimas, devem ser proibidas no  cinema e na televisão, a menos que tenham como fim mostrar um atentado aos  direitos do animal.

Art. 14 -
a) As associações de proteção e de salvaguarda dos animais devem ser representadas a nível de governo.
b) Os direitos do animal devem ser definidos por leis, com os direitos do homem

(https://www.suipa.org.br/index.asp?pg=leis.asp)

Compaixão para com os animais
A compaixão para com os animais é das mais nobres virtudes da natureza humana - Charles Darwin

todos os animais têm direito à existência
Todos os animais nascem iguais perante a vida e têm direito à existência

FOCA NA DICA

FIM DE SEMANA TÁ AÍ...
Bora focar no bom da vida !
Foca na postura
Foca na postura
Dica de sedução
Foca no olhar
Foca no romance
Foca no romance
Foca no carinho
Foca no carinho
Foca no amor
Foca no amor

Foca no sorriso
Foca no sorriso
Foca na paz
Sem estresse. Foca na paz !

O dia está lindo
Foca na alegria. O dia está lindo ! 

foca na diversão
Foca na diversão